Você está em:

HOMENAGEM A SÃO BENEDITO EM TEMPOS DE PANDEMIA

A Centenária Festa de São Benedito foi adiada por causa da pandemia do coronavírus e deve ser realizada no segundo semestre, provavelmente, no mês de outubro.

Para relembrar a trajetória da Festa, que sempre é realizada entre os dias 1 e 13 de maio,  a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente através da Divisão de Patrimônio Construído e Tombamento presta justa homenagem aos atores que preservam os costumes, a dança e a religiosidade que permanecem desde o início do séc. XX até nossos dias.

 

A HISTÓRIA 

A Festa de São Benedito é realizada desde 1904, na Freguesia da Nossa Senhora da Saúde das Águas de Caldas, primeiro nome da cidade. Mas, segundo Caio Augusto Faria Lobato (falecido em 2016), bisneto do Coronel Agostinho Junqueira, as primeiras festas já aconteciam antes dessa data na Fazenda Barreiro. A primeira imagem de São Benedito veio de Amparo/SP para Poços de Caldas, trazida por Herculano Cintra (os escravos recebiam o sobrenome dos seus respectivos proprietários). Este escravo, muito devoto de São Benedito, atribuía ao Santo sua alforria. Comprou uma chácara, conheceu Raimundo Mourão, outro escravo, e pediu à família do Dr. Mário Mourão apoio para realizar a Festa.

A antiga e minúscula capela de São Benedito foi erguida em 1905, por Herculano Cintra auxiliado por D. Herculana Mourão, mãe de Dr. Mário Mourão. Muitos anos depois, em razão do crescimento da população, a pequena capela não satisfazia às necessidades do culto. Com a aprovação do Exmo. Sr. Dom Ranulfo da Silva Farias, Bispo de Guaxupé, o Dr. Mário Mourão iniciou o andamento das obras, recebendo donativos de todos os fiéis de São Benedito e das famílias católicas.

A seta indica a antiga Capela de São Benedito localizada na praça Monsenhor Faria de Castro. A Capela foi construída no recuo posterior da Antiga Matriz de Nossa Senhora da Saúde
Festa de São Benedito – 1916 – Acervo: Museu Histórico e Geográfico de Poços de Caldas

 

Anos 20 Autoria: Foto Ninho Acervo: Museu Histórico e Geográfico

Às pressas, em maio de 1926, aconteceu a inauguração da atual capela, em terreno doado pelo coronel Agostinho, uma vez que ele estava muito doente e todos queriam que ele participasse da inauguração da igreja que ajudara a construir. A 26 de junho o coronel faleceu.

A igreja foi terminada aos poucos, sendo o altar benzido pelo Bispo de Guaxupé, D. Ranulfo, em 3 de maio de 1932.  Com a devoção a São Benedito, junto ao qual se celebra, ainda, louvores a Santa Ifigênia e Nossa Senhora do Rosário, tem-se a formação das primeiras e principais manifestações culturais populares da cidade de Poços de Caldas.

 

OS CONGOS E OS CAIAPÓS

Congos na rua Assis com rua Alagoas

Congado é uma dança que lembra a coroação do Rei Congo e da Rainha Ginga de Angola, acompanhado de um cortejo compassado, levantamento de mastros e música. Os instrumentos musicais utilizados são os tambores, a cuíca, a caixa, o pandeiro, o reco-reco. Esta manifestação cultural e religiosa de influência africana ocorre em algumas regiões do Brasil, tendo por temas a devoção a São Benedito, o encontro da imagem de Nossa Senhora do Rosário e a Embaixada (representação da luta de Carlos Magno e os Doze Pares de França e o Rei da Turquia, ou seja, o combate entre mouros e cristãos).

 

Caiapós na Festa de São Benedito em 1935 Acervo: Museu Histórico e Geográfico

Os Caiapós apresentam-se vestidos de índios, pintados e tatuados, sendo que o cacique, além do traje mais apurado, empunha a buzina de chifre. Os dançadores usam saias compridas de capim, camisas cobertas de penas de galinha, pulseiras nos braços e artelhos, colares de contas e levam nas mãos: arcos, flechas e espadas de pau, que batem para marcar o ritmo. Os instrumentos são buzinas, reco-reco, chocalhos e tabuinhas.

Eles não cantam nem falam, apenas se comunicam por meio de gestos, pois os indígenas não compreendiam a língua portuguesa. Suas principais figuras são: o “Cacique”, o “Contramestre”, os “Flecheiros”, o “Meleiro”, que finge tirar mel do solo, assim como as “Bugrinhas”, pequenos caiapós que se vestem de meninas e costumam ser raptadas pelos populares, que quando as devolvem dão algum dinheiro para o grupo. Em alguns ternos aparece o “Curumim”, que morre e ressuscita.

Vários grupos de Caiapós aparecem e desaparecem do cenário da festa de Poços de Caldas, sendo que atualmente o agrupamento é composto de elementos locais e de cidades vizinhas.

A Dança dos Caiapós é apresentada tradicionalmente na Festa de São Benedito três dias antes do encerramento da mesma, ou seja, no dia 11 de maio.

 

Centro Cultural Afro Brasileiro Chico Rei e Associação dos Ternos de Congos e Caiapós

Ao longo dos anos a força dessa tradição foi oficializada com a criação do Centro Cultural Afro Brasileiro Chico Rei. Em novembro de 1963, nascia em Poços de Caldas, idealizado por Mário Benedito Costa, o Chico Rei Clube, que hoje tem o nome de Centro Cultural Afro-brasileiro Chico Rei (C.C.A.B). Há mais de cinco décadas, a instituição realiza atividades na comunidade poços-caldense com o objetivo de disseminar o conhecimento das culturas africana e afro-brasileira.

Foto: Dan Alvisi

Segundo Lúcia Vera Lima, atual presidente do Chico Rei, o Centro desenvolve em escolas públicas e privadas, faculdades, Programa Municipal da Juventude (PMJ), Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), asilos e na sede quando solicitado, atividades que visam resgatar e ressignificar a cultura afro em todos os aspectos: social, cultural e político. E com a Associação dos Ternos de Congos e Caiapós de Poços de Caldas que foi criada no dia dezesseis de outubro de 2001, numa reunião no Palace Casino com a presença de representantes dos ternos de Congos de Poços de Caldas. A finalidade da Associação é de fortalecer e apoiar a Festa de São Benedito nas suas tradições e obrigações de fé, em primeiro lugar. É a permanência da tradição dos congos e caiapós e apoiar todas as suas iniciativas com os representantes dos seguintes ternos de congos: São Benedito, Nossa Senhora do Rosário, Nossa Senhora do Carmo, São Jerônimo e Santa Bárbara.

É interessante observar que a Associação dos Congos conseguiu garantir, junto à Diocese o espaço tradicional dos Congos e Caiapós dançarem. Num entorno de 5,30 metros de toda a Igreja não pode ser colocado os brinquedos do parque e, também na plataforma debaixo da Igreja, onde fica a “chamada estátua de São Benedito” (que mais se parece com Santo Antônio), há uma área de 8 metros de diâmetro que é do Congado de São Benedito para a citada encenação.

Os treze dias de festa são marcados por rituais e demonstrações de devoção ao Santo, destacam-se o Levantamento dos Mastros, a Retirada dos Caiapós do Mato e a Missa Conga.

 

*São Benedito é considerado  o segundo padroeiro da cidade, pois a Santa padroeira de Poços de Caldas é Nossa Senhora da Saúde.

Divisão de Patrimônio Construído e Tombamento 

Coordenação: Arquiteta Lícia Perote de Almeida

Pesquisa e elaboração: Pedagoga Sônia Maria Sanches

Estagiária de arquitetura: Bianca Gonzaga

Telefone

(35) 3697-5000

Endereço

Avenida Francisco Salles, 343, Poços de Caldas - 37701-013

Funcionamento

09:00 às 18:00h de seg. a sex.

ÓRGÃO RESPONSÁVEL

Secretaria Municipal de Comunicação Social